O Submundo do Futebol

Obra: O Submundo do Futebol
Título originalKelong Kings
Autores: Wilson Raj Perumal, Alessandro Righi e Emmanuele Piano
Cliente: Editora Astral Cultural
Ano de publicação: 2016

 

Detalhes da tradução:

Todo torcedor fanático de algum time — desde o bando de pernas-de-pau que joga na quinta divisão até algumas seleções nacionais renomadas — tem a convicção de que todas as vitórias que a equipe alcança em campo ocorrem de forma justa e honesta, e que todas as derrotas ocorrem porque o árbitro foi subornado ou porque o a confederação resolveu prejudicar o time, que é sempre injustiçado. Em O Submundo do Futebol, livro que traduzi em parceria com a amiga Natália Bis M. Weinzstok, aprendemos que pelo menos a primeira suposição é verdadeira mais vezes do que se imagina.

É interessante acompanhar o desenrolar da vida de Wilson Raj, o manipulador de resultados de partidas. Mais do que um relato de como um pequeno grupo de pessoas conseguiu armar um esquema criminoso para subornar jogadores, árbitros e confederações de futebol por todo o planeta, O Submundo do Futebol escancara a verdade e mostra como muitas partidas de futebol são decididas fora das quatro linhas do gramado.

Em tempo: pessoalmente, eu detesto futebol. Mas, durante a tradução deste livro, percebi o quanto conheço do assunto! 😛

 

Sinopse oficial:

O que faz um time ganhar uma partida? Treino, suor, garra? Ou uma mala cheia de dólares? Muitas vezes o amor à camisa esconde uma obscura relação comercial. Vencer ou perder é apenas uma questão de dinheiro – e pago à vista. Wilson Raj Perumal, um dos maiores manipuladores de resultados do mundo, garante que quase todos nesse meio, de árbitros a jogadores, têm seu preço. Basta saber negociar. Nesse jogo de cartas marcadas, as partidas são disputadas dentro das casas de apostas, onde quem ganha nunca é o time ou a torcida. Vence quem paga mais e compra as pessoas certas. Em O Submundo do Futebol, o singapuriano Perumal – que passou os últimos anos entre os estádios e a prisão – revela conversas clandestinas com jogadores, reuniões com dirigentes, chantagens e um intrincado esquema de corrupção com ramificações mundiais.

Comentários estão fechados